22 de ago de 2008

Maurren Maggica jamais se dopou

Segue texto do blog de PAULO MOREIRA LEITE, retirado do blog do Juca:

A medalha de ouro de Maurren Maggi representa uma volta por cima de uma atleta exemplar. Espero que ela receba todas as homenagens a que tem direito e um pouco mais. Maurren merece – até porque carrega a dor de uma acusação injusta.

Em 2003, às vésperas dos Jogos Pan Americanos, Maurren Maggi foi punida e afastada das pistas, num processo anti-dopping. Ela foi acusada de ter feito uso de clostebol, substância proibida pela medicina esportiva. A maioria das histórias de dopping envolvem roteiros cabeludos e explicações incoerentes, mas o depoimento de Maurren sempre foi claro. Ela não se dopou.

Sem saber, no final de uma sessão de depilação numa clínica de São Paulo, recebeu a aplicação de uma pomada cicatrizante chamada Novaderm. Entre outras substâncias, a pomada continua clostebol – em doses mínimas para afetar o desempenho esportivo, mas suficientes para serem apanhadas num exame médico.

Eu era diretor do Diário de S. Paulo, naquele momento. Com auxílio de Carlos Alencar, o editor de esportes, decidimos fazer uma reportagem para afastar qualquer dúvida. Escalamos uma repórter, Luciana Ackerman, para ir à mesma clínica de Maurren, fazer a mesma depilação, receber a aplicação da mesma pomada – e depois submeter-se ao mesmo exame médico que ela fizera. O resultado foi o esperado: deu dopping na repórter que, como Maurren, apenas fizera uma depilação.

Este teste não prova que o exame médico estava errado mas mostra que aplica-se rigor demasiado em quem não merece –e muitas vezes deixa escapar quem não devia, não é mesmo?

Também prova que Maurren tinha uma qualidade que só faz bem a uma grande atleta – caráter.


http://paulomoreiraleite.com.br/colunaepoca/2008/08/22/maureen-maggi-nunca-se-dopou-eu-provo/

Nenhum comentário: